FOTOS - Festival OMI 2012

Participantes das Oficinas -FESTIVAL OMI

Conheça Os Participantes das Oficinas

Alexandre Campos:

graduado em Arquitetura e consultor na área de arte, tecnologia digital e educação.

Ayóbàmi Samuel Akínrúlí:

é co-fundador e presidente do Instituto de Inovação Social e Diversidade Cultural (INSOD), mestrando em Inovação Biofarmacêutica com ênfase em Propriedade Intelectual pela UFMG. É formado em Ciências Econômicas pela Universidade de Lagos/Nigéria e em Música e Artes Teatrais pela Universidade de Ilé Ifè/Nigéria, especializado em Professional Traditional Music com Enfoque em Arranjo e AfricanJazz Performance. É professor de língua e cultura Yorùbá (CENEX/UFMG) e de inglês na escola Luzianna Lanna Idiomas. Dentre os diversos eventos culturais nos quais se envolveu, citam-se as apresentações como contador de histórias mitológicas Yorùbá na 4ª edição do Festival de Arte Negra (FAN) em 2007, participante especial com composições e arranjos musicais com grupo Couro e Cabaça na 6ª edição do Festival de Arte Negra (FAN) em 2012, co-organizador do 1º e 2º Congresso Internacional de Cultura Yorùbá realizado nos anos de 2009 e 2010 em Nova Lima/MG, Centro Cultural e Faculdade de Educação da UFMG em Belo Horizonte/MG. Também realiza palestras sobre a cultura e tradição Yorùbá e outras matrizes culturais africanas em várias cidades brasileiras. www.insod.org.

Bruno de Araújo Mendes:

graduado em História (UFMG), mestre em Bens Culturais e Projetos Sociais (FGV-RJ) e consultor na área de preservação e educação patrimonial.

Cláudia França Prieto:

graduada em Belas Artes pela Escola de Belas Artes da UFMG, mestre em Educação Tecnológica pelo CEFET-MG, doutoranda em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Atua nas áreas de design, concepção de exposições de ciência e tecnologia, comunicação pública da ciência, expografia, museologia. CV: http://lattes.cnpq.br/4019915718800339.

Idówú Akínrúlí:

percussionista natural da Nigéria, formou-se músico no seu berço familiar e social. Atua como percussionista profissional há 8 anos participando em shows de diferentes artistas importantes da África. No Brasil atua como diretor e professor de percussão e ministra aulas de dança. http://akinpercussao.blogspot.com.br/.

Maria Edite Martins Rodrigues:

Professora alfabetizadora da Rede Municipal de Belo Horizonte desde 1982. Professora de Língua Portuguesa da Rede Municipal de Belo Horizonte desde 1994. Contadora de histórias para crianças, jovens e adultos, privilegiando a temática étnico-racial como estratégia de combate ao racismo no cotidiano escolar e fora dele; Atualmente compondo a equipe pedagógica da Escola Municipal Professor Daniel Alvarenga.

Michel Montandon:

é webdesigner graduado em Comunicação, mestrando em estudos de linguagens pelo CEFET-MG.

Priscilla Heloíza dos Santos:

exerce o trabalho de Apoio à Inclusão Social infantil, sendo monitora de Oficinas no Projeto Escola Integrada na Rede Pública de Belo Horizonte. Atua também como Agente Cultural, realizando atividades sócio-educativas que promovem a valorização racial e conscientização, defendendo propostas de afirmação a Cultura por meio da realização de oficinas voltadas ao resgate da identidade negra e seu papel na sociedade. Trabalha a questão da identidade/vaidade em seus projetos com o objetivo de resgatar a personalidade e beleza do negro, oprimida por tantos preconceitos. Atualmente é funcionária da Escola Municipal Desembargador Loreto Ribeiro de Abreu, onde desempenha trabalhos voltados para crianças de 5 a 15 anos.

Sara Ferreira Marcenes Pozzato:

graduou-se em licenciatura em Letras – habilitação Português – pela Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiência na área de Letras em geral, com ênfase em Literatura. Atualmente desenvolve pesquisa na área de Literatura Africana de Língua Portuguesa, especificamente, nas obras de Luandino Vieira. É técnica em instrumento pelo Conservatório Estadual de Música Padre José Maria Xavier. Atualmente cursa Mestrado em Letras na Universidade Federal de São João del Rei, na linha de pesquisa Literatura e Memória Cultural. CV: http://lattes.cnpq.br/0143495049421758.

Stephens Robert Wells:

a tornearia artística surgiu em sua via a partir de seu talento artesanal, cativado desde a infância, aliado à paixão em criar esculturas de madeira e a sua formação, que inclui cursos com Russ Zimmerman. O norte-americano de Miami, atualmente residente no Brasil, realiza diversos projetos que englobam o desenvolvimento de peças em alto padrão de qualidade, que vão desde móveis e adornos. A biodiversidade do Brasil lhe propicia a atuação de forma sustentável: a “tornearia proporciona às árvores uma segunda chance”. http://www.stephenwells.com.br/.

FESTIVAL INTERNACIONAL DE DIVERSIDADE CULTURAL - FESTIVAL OMI

II FESTIVAL OMI - O FESTIVAL INTERNACIONAL DA DIVERSIDADE CULTURAL